Reflexões na Pandemia: o dinheiro enquanto símbolo

A realidade da pandemia nos apresenta uma realidade incontornável: os efeitos de uma crise que perpassa múltiplas camadas ( sociais, sanitárias, econômicas, ambientais, etc.). As empresas familiares ( como as não familiares), evidentemente, são profundamente impactadas nesse momento. Um circuito pautado em certa previsibilidade em torno de faturamento; recursos de fluxo de caixa e resultados é erodido abruptamente em muitos casos.  A máxima ” a conta não fecha” ganha veemência. Escolhas precisam ser feitas em um contexto de incerteza.

Nesse cenário, lidamos com uma dimensão objetiva que não se dissocia de uma dimensão simbólica: o  dinheiro e seus sentidos. O que se mobiliza em uma família empresária frente à circulação/ restrição desse signo está longe de se tratar exclusivamente de uma questão financeira.

Vale lembrar que o dinheiro em si mesmo é um símbolo, uma ficção acordada coletivamente que confere  à condição humana uma modalidade de existência muito particular  . Harari explora o tema nas suas obras. ( No vídeo para o TED ” Why humans run the world”  também pode ser conferida uma síntese dessas ideias).

Em novembro de 2019, o jornal ” The New York Times” publicou um artigo de Kerry Hannon denominado: ” How to Talk About the Family Money”. O texto salienta como é comum que o tema vire tabu. Também realça:  Fighting over the family assets is usually about far more than that. Money is often how we keep a tally of love, approval and fairness”. 

Evidentemente que a realidade da crise econômica atravessa e perpassa a experiência de todos nós nesse momento em maior ou menor magnitude. Aqui nos interessa pensar: como esse acontecimento incide nos atores das famílias empresárias?  Ora, se o tema do dinheiro e de sua circulação, alocação, distribuição é delicado e muitas vezes confuso, qual não será o desafio de agenciar as decisões que lhe são correlatas nesse momento? Fato é: uma equação que já não era trivial passa a ser a de uma exponencial mais complexa.

A abordagem psicodinâmica nos convida a observar esses acontecimentos a partir de uma lente que privilegia a realidade do inconsciente.  Se determinada família empresária adota um jeito confuso de lidar com o seu dinheiro ( por exemplo: uma política de distribuição de resultados cujos critérios nunca ficam claros) a pergunta que deveríamos nos fazer é: a que serve tal confusão? É mais útil sustentar essa hipótese e nomeá-la oportunamente (  aliás, ao meu ver, um dos traços que caracteriza o ” estado da arte” das consultorias é a sensibilidade para captar o timing preciso)  do que apressar-se a transmitir uma cartilha de ” Boas práticas de governança corporativa”.

Novamente, realçamos que a relação com o dinheiro é também a relação com aquilo que o mesmo simboliza. Enriquez ( 1990)  é um autor que grifa o efeito radical dessa marca nas sociedades modernas:  “ Só nos tornamos homens ao criar dinheiro e favorecer o aparecimento de novas riquezas ( …) O sagrado transcendente cede seu lugar a um sagrado profano: o dinheiro”. ( p.246).  

Uma família empresária às voltas com os desafios vigentes no contexto da pandemia se vê interpelada e mobilizada psiquicamente.  As escolhas que forem tomadas ( sejam quais forem) frequentemente são acompanhadas de  fantasias como a  de um colapso iminente; a de interesses que privilegiem certas visões em detrimento de outras,  as de conluios e traições.

Talvez dizer que o dinheiro não é só o dinheiro tenha algo da música de Tom Zé: “Eu Tô te explicando /Prá te confundir/ Eu Tô te confundindo/ Prá te esclarecer” .   De todas formas, as famílias empresárias disponíveis para assimilar essa lógica outra têm sido menos ingênuas e mais preparadas para atravessar essas turbulências.

Referências Bibliográficas:

ENRIQUEZ, E. Da Horda ao Estado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

 

 

COMPARTILHAR

ÓTIMA GESTÃO

A ÓTIMA Estratégia e Gestão é uma empresa de Consultoria e Treinamento de Gestão, nas áreas de Planejamento Estratégico, Sistemas de Gestão, Treinamentos e Projetos de Melhoria Lean 6 sigma. Tem como foco o desenvolvimento de projetos que tragam ganhos significativos em produtividade, qualidade e redução www.otimaeg.com.br

ROGÉRIO YUJI TSUKAMÓTO

Prof. e coordenador dos programas de Gestão de Empresas Familiares (EAESP-FGV/SP); Prof. de Empreendedorismo, História Empresarial e Sucessão Familiar em programas executivos da USP, Fundace e INEPAD; Membro do IBGC Instituto Brasileiro de Governança Corporativa Mestre em Business Administration pela The Wharton School of the University of  Pennsylvania (EUA). Um dos mais renomados consultores, em planejamento sucessório para empresas familiares em diversos segmentos, como: Cosan, Petróleo Ipiranga, O Boticário, Tigre, Ajinomoto, ABERT (Rádio e TV), ABRAS (Supermercados), SindPetro e muitas outras. info@gestare.com.br

Héctor Lisondo

O Instituto Lisondo é uma Consultoria Boutique fundada em 1998 com o propósito de promover o desenvolvimento de pessoas e empresas através de propostas customizadas e bifocais (aspectos técnicos e humanos simultaneamente abordados).

Conheça mais

Valéria Lisondo

Biblioteca Virtual

Nosso acervo virtual gratuito.

Veja mais

Empresas Familiares e Famílias Empresárias

No nosso capítulo destacamos a dimensão de sofrimento inerente à conquista de resultados nesses contextos. Resultados compreendidos não apenas pela métrica financeira, mas também pela estruturação de uma governança sadia. De Coordenação: Roberta Nioac Prado

Comprar

Empresas Familiares Uma Visão Interdisciplinar

A obra, com participação de Héctor e Valéria Lisondo, é resultado dos debates multidisciplinares que ocorrem nos encontros do Grupo de Estudos de Empresas Familiares da Faculdade de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Comprar

Mudança sem Catástrofe ou Catástrofe sem Mudanças

Esse livro é o resultado da confluência de algumas descobertas da psicanálise aplicadas à organização. Oferece aos líderes alternativas de reflexão para melhorar os seus resultados,  convidando-os para uma mudança pessoal.

Comprar

Inovação Organizacional e Tecnológica

O livro focaliza a crucial questão da inovação desde múltiplos vértices tais como: o tecnológico, o organizacional, do empreendedorismo e desde a perspectiva psicológica onde se aborda o grupo como um organismo em permanente evolução na busca e na afirmação da sua identidade grupal.

Comprar